Projeto do Sindsorvete apoia desenvolvimento da competitividade mineira

Projeto impulsiona indústria de sorvetes na RMBH

Vinte e cinco pequenas indústrias de sorvetes da Região Metropolitana de Belo Horizonte investem na diversificação do produto e na melhoria do atendimento para faturar mais. Os empreendimentos fazem parte do Projeto de Desenvolvimento da Competitividade do Sorvete Mineiro, promovido pelo Sebrae Minas e o Sindicato Intermunicipal da Indústria de Sorvetes (Sindsorvete).

Iniciado em 2013, o projeto foi criado para impulsionar a indústria na capital mineira, que assistia à chegada das gelaterias, inspiradas em estabelecimentos encontrados em São Paulo e outras capitais. Foi realizado um estudo detalhado do mercado no exterior e no País e mapeadas as boas práticas e tendências.

No Brasil, o consumo do produto fica abaixo dos 6 litros per capita/ano. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos e na Nova Zelândia, o consumo ultrapassa os 25 litros por pessoa. Ou seja, é um mercado que tem potencial para crescer”, explica o analista do Sebrae Minas, Anderson de Freitas.

A construção de um plano de ação para a indústria de sorvete da RMBH foi direcionada para reposicionamento e aprimoramento do empreendedorismo, para a produção e inovação tecnológica e melhoria dos processos, e ações de branding, marca e canais de comercialização.

Os empresários do segmento participaram de capacitações sobre como eficiência energética, gestão financeira, gestão de canais de venda, merchandising visual, redefinição de layout de loja e de fachada. Além disso, participaram de eventos, como a Fispal, uma das principais feiras de alimentos do Brasil.

Os resultados superaram as metas previstas. Em dois anos, os empreendimentos participantes do projeto tinham a meta de reduzir os custos em 4%, porém, conseguiram atingir mais de 7% em economia de gastos. Em relação ao faturamento, a média prevista era de 5%, mas o aumento obtido ultrapassou os 15%. Além disso, atualmente, 95% dos empreendimentos possuem controle gerencial.

“O envolvimento dos participantes foi crucial para o sucesso do projeto, mas sabemos que o setor ainda tem muitas oportunidades para crescer”, afirma o analista do Sebrae Minas.

(Fonte: Diário do Comércio)